Cristo – A Plenitude dos Tempos


“No qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” (Ef 1.7)

Introdução :Paulo é um dos grandes escritores bíblicos que consegue, com maestria, sintetizar a salvação em Cristo de forma objetiva e transparente. No verso de Ef 1.7 Deus nos fala, através de Paulo, sobre o que Cristo fez por nós “redenção… remissão dos pecados”; sobre o preço que pagou para que a salvação fosse possível ao homem “pelo seu sangue”; e, por fim, sobre a origem da redenção em Cristo “segundo a riqueza da sua graça”.

Lendo um texto como este de efésios 1.7 fico pensando como pode algumas pessoas o ler sem se comoverem e refletirem sobre sua própria existência. Poucos textos sintetizam a essência do cristianismo como este.

Cada palavra deste verso merece atenção, a começar pela primeira expressão “no qual”Temos visto nos versos anteriores, que somos amados de Deus; por isso, ele nos escolheu “antes da fundação do mundo” para sermos santos e irrepreensíveis” no “Amado”, em Cristo Jesus. Ou seja, Deus nos escolheu para sermos amados. E, tudo isso “para louvor da glória de sua graça”. Portanto, “no qual” refere-se ao Amado de Deus, aquele que derramou seu sangue por nós, os amados do Altíssimo, Cristo Jesus o nosso Redentor.

A seguir vem a segunda palavra importante a ser considerada “redenção”.

Em Cristo temos redenção. Essa expressão significa libertação pelo pagamento de um resgate .”Por que todos pecaram e carecem da glória de Deus”(Rom. 3.23). No Brasil é quase que cotidiano notícias sobre seqüestros. Por isso, se torna mais fácil a compreensão desta expressão. Quando uma pessoa é seqüestrada os seqüestradores exigem um resgate, geralmente, em dinheiro. Quando é pago o valor exigido, então, a pessoa seqüestrada é libertada e volta ao convívio familiar. É a mesma coisa com os cristãos. O pecado aprisionava o homem não o deixando se relacionar com seu Criador e era exigido um resgate para sairmos dessa prisão. Cristo pagou o preço da nossa libertação e, por isso, em Cristo temos redenção, ou seja, a remissão dos nossos pecados.

Entendendo que a obra de Cristo na cruz resultou na nossa redenção, ou seja, remissão dos pecados, também, entendemos que alto preço a nossa redenção custouNeste ponto é importante salientar a terceira expressão “pelo seu sangue”.

Sabemos que Deus criou o homem para se relacionar intimamente com Ele e por isso o criou à sua imagem e semelhança. Na criação tudo era perfeito, ou seja, “muito bom”, era a perfeita harmonia. Nessa perfeição Deus dá uma ordem ao homem para que não comesse do fruto do conhecimento do bem e do mal . Após essa ordem Deus dá a primeira promessa: “porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás” (Gn 2.17). A primeira promessa de Deus ao homem foi a promessa de morte se caso desobedecesse. Infelizmente, o homem desobedeceu. Após, isso Deus faz uma segunda promessa em Gn 3.16, de que o descendente da mulher (Jesus) pisaria na cabeça da serpente. A segunda promessa era de vida.

Jesus Cristo derramou o seu sangue dando a sua vida por causa dessas duas promessas. Em Cristo foi cumprida a primeira promessa, a de morte e Ele morreu em nosso lugar. Também a segunda, a de vida, Cristo tomou sobre si a nossa morte e nos deu sua vida; Ele ressuscitou! Essas duas promessas que são cumpridas em Cristo é o que percorre toda a Escritura até chegar a Cristo. É o que diz Gl 4.4-7, referindo-se ao cumprimento dessas duas promessas de “plenitude dos tempos”“Vindo, porém, a plenitude dos tempos Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei a fim de que recebêssemos a adoção de filhos”. O cumprimento dessas promessas em Cristo é o que podemos dizer de essência do cristianismo. Isso é maravilhoso e enche o nosso coração de regozijo!

Somente entendendo o que foi o sacrifício de Cristo na cruz do Calvário é que podemos entender a última expressão a riqueza da sua graça. Entender como Deus nos amou, mesmo sendo pecadores; de que forma maravilhosa toda Escritura converge para o sacrifício de Cristo; como os planos de Deus são perfeitos! tudo isso deve fazer com que honremos ao Senhor de toda Glória. Sabendo que “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém” (Rm 11.36).

Deus os abençoe em Cristo Jesus.